Saturday, August 30, 2008


...alguns excertos de uma opinião sobre a nossa cidade:

My beautiful, late-night Lisbon

Financial Times, 30 August 2008

By York Membery

Name: Ana Marques; Age: 25; Occupation: English teacher at an international school in Lisbon; Born in: Portugal but moved to Toronto, Canada, with her parents as a child; Now living in: Lisbon

«I’d always wanted to live in Portugal because both my parents are Portuguese. We emigrated to Canada when I was four years old. I moved to Lisbon three years ago after finishing a degree in European studies and English linguistics at university in Toronto.

Somewhat to my surprise, I experienced something of a culture shock on arriving, despite speaking Portuguese (my parents enrolled me in Portuguese classes as a child). Everything was just so different. However, speaking Portuguese isn’t “a must” if you live in Lisbon nowadays. Most of my foreign friends at the language school, who only speak English, can usually find someone in the city who speaks English at the bank or the telephone company.
I found it difficult adjusting to the bureaucracy and the lack of politeness in shops and service areas. In the beginning, going to the bank without a rehearsed agenda was quite an ordeal. Coming from a place like Toronto where courtesy and kindness are the order of the day it was something of a shock.

Even finding a suitable room or apartment posed a challenge on arriving. Most Portuguese people seem to think a few square metres are liveable. And privacy doesn’t seem to be a priority when living in close quarters. A lot of the locals seem quite happy living in small apartments with lots of people. My first room was so small I couldn’t even completely walk around the bed. Thankfully, I soon found a nice place of my own.

I arrived in Lisbon in late August although in Portugal that is midsummer. Moving when it was warm made it easier to make friends because people are out socialising until late, be it on weekdays or weekends. In contrast, the winters are quite rainy. It’s also cold indoors in the winter because most houses don’t have central heating – so you have to carry a small portable heater around the house with you. However, winters are a good time to catch up on the latest films. Movies tend to premiere later here than in North America but they are never dubbed so you can enjoy them in English. People love American movies; most Portuguese films are flops.

With my Portuguese ancestry, perhaps I’m biased but I think Lisbon is the most beautiful city I know. My friends and I often spend our weekends wandering around, just taking in the sights, sounds and smells. I love the way the cafés, shops, and restaurants are housed in exquisite, well-preserved old buildings. It makes walking around the city a real pleasure. It’s a very lively city but it feels safe. (...)

The traffic in Lisbon is pretty bad. A lot of Portuguese families have two cars, which makes things worse – and Lisbon’s drivers are mad. They don’t really respect stop signs or pedestrian crossings. You have to throw yourself on to the street and hope for the best. The government has recently started clamping down on such drivers.

Public transport is the best way to get around the city in my opinion. The trains on the Cascais-Lisbon line are pretty good. Lisbon also has a great metro system. Since it’s fairly new, the metro stations are clean and most have mosaic art designed by Portuguese artists. There are only four metro lines, which makes it easy to get around and the stations are well-located. Buses are a bit different. Thanks to the Portuguese laid-back mindset, they are usually late. And the bus drivers are not the friendliest people around.

Salaries here not as high as in Canada and groceries, clothing, petrol are all quite expensive as a result. In common with many countries, Portugal is experiencing a credit crisis and a lot of Portuguese people are living above their means and getting into debt. Personally I find that although I am living on less, I do much more here than I did in Toronto. Stretching your money becomes an artform when you’re a teacher. (...)

What I love most about Lisbon are the culture, architecture and climate. Living in Portugal is way more laid back in every aspect than Toronto and I’m very happy here. It’s become a real home from home.»

Para ler a entrevista completa, click no título.

Friday, August 29, 2008







Tuesday, August 26, 2008

LISBON: «a stark difference between image and reality»

Num artigo do Financial Times publicado no passado dia 18 de Agosto é divulgada a classificação do "branding" das 72 maiores cidades da Europa. O estudo, elaborado pela Saffron Brand Consultants, alerta para o facto de várias cidades se terem promovido internacionalmente como marcas fortes apesar de não terem "assets" e "attractions" de qualidade correspondente. É dado o exemplo de Edinburgh, Glasgow e Liverpool que apesar de surgirem no grupo das 30 cidades mais atraentes para visitar são fracas em atracções turísticas quando comparadas com outras cidades ainda pouco "excitantes" como Sofia e Hamburg.

Lisboa foi classificada nº 16 em "assets" e "attractions" mas não passa da posição 27 no que toca a "glamour"... Esta contradição não é nenhuma novidade para quem vive e trabalha em Lisboa. Sabemos que Lisboa tem todos os ingredientes para ser uma "world-class city" - o problema é que temos também quase tudo desleixado, abandonado, em mau estado de conservação ou em vias de ser destruído, seja património natural ou construído. Estamos, literalmente, a destruir os ingredientes essenciais para contar a história e carácter únicos de Lisboa. Estamos a deitar fora o "branding" de Lisboa!

Londres, Paris e Barcelona surgem no topo da lista - continuam a ser os modelos a seguir:

«Saffron Brand Consultants warned that while many of the British cities had created strong brands internationally, other European cities that were underselling their attractions could quickly catch up once they started to promote their strengths. Conversely, British cities such as Manchester, Bristol and Newcastle, which had marketed their revival aggressively, were in danger of overplaying their attractions. “A number of Britain’s regional cities have talked a lot of their efforts to regenerate in the last decade,” said Jeremy Hildreth, head of place branding. “However, achieving a better brand requires more than building a new shopping mall, which is the approach some cities seem to have taken.”

It described the likes of Poland’s historic Krakow as “undervalued stocks” that could become a real threat to UK counterparts once they became better at selling their brands. “There is a bunch of new European cities that need to get out there and tell their story, and in so doing they can forge ahead of their bland British counterparts,” said Mr Hildreth.

The study was based on a poll of 2,000 consumers to find out what people most wanted from a city. World-class cities such as Paris, London and Barcelona scored highly on both brand and assets, but others revealed a stark difference between image and reality. Berlin was seen as Europe’s third most exciting city, but was ranked 16th in its assets and attractions. Lisbon, Portugal’s capital, was rated equal to Berlin on assets, but only 21st in the glamour stakes.»

What makes a place truly great?
● Pride and personality
● Distinctive environment – landmark buildings, facilities, public transport
● Ambitious vision, with good leadership and buoyant economy
● Worth going out of the way to see
● Easy access and good public transport
● Conversational value – it is fun to talk about Edinburgh but not Bradford
● Location – it is somewhere special or a centre for an interesting area

FOTO: O Terreiro do Paço aos Domingos, uma imagem bem esclarecedora da falta de glamour da capital portuguesa.

Monday, August 25, 2008

20 anos depois do Incêndio do Chiado: Elevador de Santa Justa, Largo do Carmo e Edifício Palmeiras

Exactamente 20 depois do INCÊNDIO DO CHIADO é assim que está a ligação pedonal entre o Largo do Carmo e o terraço panorâmico do Elevador de Santa Justa. Um verdadeiro cenário de desleixo, desmazelo, lixo e degradação. Tudo rematado com o já habitual estacionamento selvagem. Seria impossível, se não fosse Lisboa.

No dia do 20º aniversário, a reconstrução da zona sinistrada ainda não está terminada. Para além da zona envolvente às ruínas do Carmo, devemos também recordar outro caso, igualmente chocante, mas em plena Baixa: o edifício "Palmeiras" na Rua do Crucifixo.

Propriedade da CML, este imóvel destruído pelo incêndio de 1988, ainda não foi reabilitado/reconstruído. Como nunca mais se decidem com o uso a dar - cada cabeça que entrou na CML desde 1988 tem uma ideia diferente para o imóvel - 20 anos depois ainda lá está a ruína chamuscada (com um restaurante ainda a funcionar no R/C!).

Veremos se o recente protocolo entre a CML e a GNR vai de facto permitir a concretização da ligação pedonal entre o Chiado e o Largo do Carmo. Já nos foi prometido que dentro de um ano e meio poderemos "usufruir de uma das mais deslumbrantes vistas sobre a colina do Castelo a partir de uma área de lazer, com jardim e esplanadas". A Câmara Municipal de Lisboa propõe construir jardins em terraços nas traseiras do Quartel, os já apelidados "Terraços do Carmo". Todo este civilizado percurso pedonal que ligará as principais ruas do Chiado ao Largo do Carmo vai ser projectado pelo arquitecto Siza Viera. O custo total da obra está estimado em 2 milhões e meio de euros, verbas candidatadas ao Instituto do Turismo.

Mas no entretanto, teremos de aguentar, no mínimo, mais um ano e meio deste cenário. Se dúvidas houvessem sobre a importância que a cidade dá à circulação pedonal e ao centro histórico, este seria um bom local para voltar a cair na realidade.
Quanto ao futuro do edifício "Palmeiras", ainda nada foi anunciado pelo actual Pelouro do Urbanismo.

Friday, August 15, 2008


A propósito dos mais de 30 hotéis que a CML licenciou desde 2007...

Check in Now! With location-inspired architecture, ambience, and amenities • eco-stewardship • an ethic of giving back to the community

Sense of place . . . With the cadence of a lullaby, these three words neatly sum up the properties celebrated here. To travel well, we believe, is to soak up authenticity. And where we spend the night is part of the picture. Does the hotel incorporate—and share—the soul of its location? Are resources respected and conserved? When possible, is the food put on the table local? Does the property play a vital role in the community, sharing some of its profits with local causes, for example? These criteria grow out of our mission. The true Traveler experience doesn't stop at the hotel lobby. Rather, it can (and should) be reinforced and enhanced there. To assemble this list, we put out a call for hotel nominations to people far and wide, from local travel experts to seasoned travelers. We detailed our criteria and asked them to recommend hotels and inns that fit the bill. After sending out in-depth questionnaires to the more than 600 properties nominated—and conducting further research—we arrived at our list of 150 properties in the United States (East, Central, and West regions), Canada, Mexico, and Caribbean region. You likely will see some old favorites—as well as a few surprises. It's a diverse lot, from rustic to luxurious, dirt cheap to splurge. Sense of place and a sweet night's sleep. Welcome to the "Stay List."

FOTO: Hotel Mundial visto do Castelo. Para além de ser um dos maiores erros urbanísticos da Baixa, é também um típico exemplo de uma unidade hoteleira sem qualquer "Sense of Place". Este edifício tanto poderia estar no Algarve como em Caracas ou Jakarta. Não tem qualquer mérito arquitectónico nem se esforçou por se integrar no quarteirão pombalino. A falta de integração urbanística é óbvia tanto do Martim Moniz (tem uma escala que esmaga a presença das colinas do Castelo e de Santana) como da Praça da Figueira (as coberturas confusas e as cérceas altas destroiem o perfil dos telhados da Praça da Figueira). Mas é no Castelo de S. Jorge onde podemos tomar consciência da verdadeira dimensão do impacto negativo do pesado e autista Hotel Mundial. As imagens falam por si. Quando nos esquecemos que Lisboa não é plana, este é o resultado...

Thursday, August 7, 2008

Comércio Incontornável (5)

A 'Victorino de Sousa' é a hoje a única correeiria da Rua Correeiros! Pelo que me dizem tem os dias contados porque o novo proprietário do prédio quer fechar a loja para fazer do prédio, ao que se diz, um hotel. Foram-se os sapateiros, estão em risco as retrosarias, foram-se os fanqueiros, estão em risca os ourives da Prata e do Ouro, resta-nos o pechisbeque e o advento dos hotéis (quiçá de charme), em que a CML aposta como salvadores do estado da cidade. Puro engano (intencional?). Adeus ao último correeiro da Rua dos Correeiros? Ninguém quer saber das lojas de tradição e de carácter?


METRO: os pavimentos da estação do Rossio

Na estação do Rossio do Metropolitano os pavimentos estão em mau estado de conservação como se pode ver pelas fotografias. O local não apresenta nem condições de apresentação nem de higiene dignas de uma estação em pleno coração da capital. Os materiais foram mal escolhidos na altura da remodelação realizada a tempo da Expo 98. Os autores do projecto, para além de revelarem um gosto duvidoso (aquelas estrelas/rosa-dos-ventos...) foram incompetentes na escolha dos materiais: aquele tipo de mosaico não consegue aguentar o stress provocado pelo fluxo intenso de passageiros (nem talvez mesmo numa cozinha doméstica!). Pouco tempo depois das obras terminadas já estavam degradados. O Metropolitano de Lisboa tem de estudar uma intervenção, o mais rápidamente possível, para melhorar estes vergonhosos pavimentos. A estação do Rossio é utilizada diáriamente por milhares de cidadãos nacionais e estrangeiros.

Saturday, August 2, 2008

PAY BY PHONE PARKING ou novos parquímetros?

A propósito das notícias recentes, sobre as alterações a introduzir na gestão do estacionamento, como por exemplo o facto da EMEL pretender adquirir NOVOS PARQUÍMETROS, convém ir ver o que se passa no resto da Europa.

Considerando a má experiência dos parquímetros em Lisboa, é estranho que se volte a insistir numa solução que depende demasiado do bom estado de conservação destes equipamentos. Muitas cidades da Europa estão a abandonar estas máquinas porque se chegou às seguintes conclusões:

-são equipamentos caros (um parquímetro com funcionalidades médias custa cerca de 5 mil euros)

-são um alvo fácil de vandalismo (como bem sabemos pela experiência de Lisboa)

-são um obstáculo à mobilidade dos peões, em particular dos cidadãos invisuais e com dificuldades motoras (em zonas de Lisboa com passeios mal dimensionados constitui grave problema)

-têm um impacto visual negativo, especialmente nas zonas históricas e/ou classificadas.

Considerando estes quatro aspectos negativos, assim como o actual património da EMEL constituído por milhares de parquímetros degradados e/ou obsoletos, porquê insistir na mesma solução quando já existem melhores sistemas, em pleno funcionamento, em várias cidades europeias?

'PAY BY PHONE PARKING': Cidades como Londres estão a fazer o abate das máquinas dos parquímetros, consideradas obsoletas, e em sua substituição estão a implementar o pagamento via telemóvel. Esta é uma alternativa verdadeiramente mais barata, mais eficiente, à prova de vandalismo e sem qualquer impacto visual negativo no Ambiente Urbano. Este sistema deveria ser explorado pela EMEL, a começar pelas zonas históricas e/ou classificadas de Lisboa, como por exemplo a Baixa, e o Chiado.

O sistema 'Pay by Phone Parking', combinado com soluções mais convencionais como o pagamento com senhas pré-compradas, constituem actualmente a maneira mais barata e eficiente para gerir o estacionamento numa grande cidade.

É necessário reflectir muito bem sobre o anunciado projecto de investimento em novas máquinas uma vez que parece ir contra as tendências mais desenvolvidas do resto da Europa. Para além do aumento do número de funções num parquímetro se reflectir na subida do preço da máquina, devemos recordar ainda que a sua manutenção será pela mesma razão mais onerosa.

FOTOS: sinalização vertical com as instruções do 'PAY BY PHONE PARKING' num arruamento do centro de Londres (Maio 2008).

Friday, August 1, 2008

Que se passa com o nº 75 da Rua da Conceição?

Decorrem obras no seu interior, não se sabe muito bem a mando de quem e para quê. Os operários dizem que os azulejos do 'hall' de entrada já não estavam lá quando entraram. Dizem que o prédio é propriedade municipal. As portas magníficas do seu interior são para o lixo. Esta obra decorre já da aprovação das medidas preventivas? E da suspensão dos artigos do PDM? Convinha saber e convinha esclarecer que aquele prédio é dos poucos genuínos da Baixa. É preciso atenção a isso!