Tuesday, December 30, 2008

«NATAL É QUANDO OS PATROCÍNIOS QUISEREM»


Para nunca esquecer o que foi feito no Natal de 2008. A prenda de Natal envenenada da TMN & CML.

Sunday, December 28, 2008

«NATAL É QUANDO OS PATROCÍNIOS QUISEREM»


Alguém consegue ver onde está a estátua equestre do rei D. José I? Graças à TMN & CML, a estátua passou a ser um objecto tímido e a mais na praça. Negou-se ao monumento a sua posição indiscutível na praça. Desde Novembro que está, literalmente, apagado da sua função de marco central do conjunto monumental da Praça do Comércio. Durante dois meses são as 24 mega bolas publicitárias da TMM que estão no centro daquele placo urbano. «O Natal é quando os patrocínios quiserem». E os monumentos? Os monumentos são monumentos 24 horas por dia e 365 dias por ano. Os cidadãos não podem aceitar interrupções na vida dos monumentos apenas porque a publicidade assim o deseja.

Wednesday, December 24, 2008

«NATAL É QUANDO OS PATROCÍNIOS QUISEREM»

«Natal é quando os patrocínios quiserem» - Não, não é uma declaração de um membro do executivo da Câmara Municipal de Lisboa, mas sim o título de um artigo na revista Time Out Lisboa (10-16 de Dezembro de 2008). Feliz Natal Praça do Comércio! Feliz Natal estátua equestre de D. José I! Feliz Natal Baixa Pombalina! Feliz Natal Comissão Nacional da UNESCO, Feliz Natal IGESPAR! Feliz Natal Dr António Costa! E até ao Carnaval!

Monday, December 22, 2008

ROSSIO: o mega cenário autista da «Jogos Santa Casa»



Mais algumas imagens das insensíveis «Decorações de Natal» que a Jogos Santa Casa e a CML prepararam para desfigurar o Rossio até Janeiro. E, afinal, esta gigante construção kitsch que tapa completamente a base do monumento a D. Pedro IV, não teve parecer do IGESPAR/Ministério da Cultura. Eis a resposta do IGESPAR ao nosso pedido de esclarecimentos:

«Exmo. Sr.

Em resposta ao seu email, informo que não deu entrada neste Instituto qualquer pedido de parecer sobre as decorações de Natal a que se refere.

No entanto, solicitámos informação à Direcção Regional de Cultura de Lisboa e Vale do Tejo.

Com os melhores cumprimentos,

Cíntia Pereira de Sousa

Assessora da Direcção
IGESPAR, IP»

Nada de novo. Mais um exemplo da República das Bananas? E agora? Os responsáveis pela classificação e salvaguarda dos Monumentos Nacionais vão fazer respeitar a lei? As fotos provam que apesar dos protestos - e até da irregularidade da falta do parecer obrigatorio do IGESPAR - ainda ninguém se levantou da cadeira para «defender» o património classificado. Não há a menor dúvida a quem pertence a Baixa durante o Natal.

Saturday, December 20, 2008

Maioria PS quer cortar acesso pela Baixa a automóveis particulares

A maioria socialista na Câmara de Lisboa apresentou hoje um novo plano de mobilidade para a Baixa que prevê que nenhum automóvel particular vindo da Avenida da Liberdade possa atravessar a Baixa para ir para nascente ou para poente.
O "conceito" apresentado pelo presidente da Câmara, António Costa, supõe "um corte na ligação da Baixa à frente ribeirinha" para tráfego automóvel, à excepção dos transportes públicos, mas foi posto em causa pela oposição e a sua discussão adiada para a próxima reunião de Câmara.

De acordo com a ideia da maioria, os automóveis particulares só poderão ir na direcção Santa Apolónia-Cais do Sodré/Alcântara e vice-versa pela Ribeira das Naus e o estacionamento na zona ficará exclusivamente reservado a moradores e comerciantes, devendo ser construídos novos parques subterrâneos no Campo das Cebolas e junto ao edifício das agências internacionais, ao Cais do Sodré.

Todo o trânsito particular que chegue à Baixa proveniente de Norte, do Rossio ou do Marquês de Pombal, terá que voltar para trás quando chegar ao último quarteirão da Rua do Ouro, prevê o novo "conceito".

A ideia, defendeu António Costa, é "alargar o espaço para peões e bicicletas" na zona ribeirinha e no Terreiro do Paço, que passa a ficar com duas vias que ladeiam a praça (a nascente e poente) completamente livres de trânsito.

O autarca afirmou que os percursos de eléctrico mantêm-se tal como estão, considerando que a solução hoje apresentada é a melhor para evitar o tráfego de atravessamento dos quarteirões da Baixa.

"Ainda não há uma decisão final nem sequer houve debate mas pretendemos que logo que esteja concluído, seja logo aplicado, uma vez que não exige obra física, só mudança de sinalização", disse.
Este novo "conceito" substituiu outra ideia de reordenamento do tráfego na Baixa que até agora a Câmara defendia. (...)

rtp.pt

Thursday, December 18, 2008

O exemplo de Londres: Bloomsbury Streets versus O exemplo de Lisboa: Rua Câmara Pestana


BLOOMSBURY STREETS TO BE PEOPLE-FRIENDLY

6.3M project to attract pedestrians and cyclists

«A 6.3 million plan to make Bloomsbury more pedestrian and cycling friendly has been approved. The proposals include adding tree-lined public squares with seating and spaces for public art. Pavements will be widened and extra cycle facilities installed.

Chris Knight, Camden council’s executive member for the environment, said: «We have carried out a great deal of consultation with residents and businesses on these plans and have been delighted with the high level of support we have received.

«These are significant improvements for an area which at present is largely dominated by the needs of cars, taxis and coaches.» He said the proposals would make it safer for drivers, cyclists and pedestrians. Plans include the creation of safe areas for cyclists at busy junctions and relocation of bus stops so walkers and motorists are more visible.

New zebra crossings will be installed and bus lanes widened. The changes are split into two projects, Bloomsbury Streets For People and Bloomsbury Corridor, both of which focus on encouraging people to walk and cycle more.

Work is expected to be finished by 2012 to encourage Olympic visitors to the area. The Bloomsbury Streets For People project covers areas including the University of London, the Royal Academy of Dramatic Art and the British Museum. The Blomsbury Corridor project covers Upper Woburn Place, Woburn Place, Tavistock Square, Russel Square and Southampton Row.» In EVENING STANDARD, Londres, 21 de Outubro de 2008

Nota: cada parágrafo deste artigo revela bem a importância que as cidades do norte da europa dão à mobilidade pedonal. Por contraste, vemos o atraso da nossa capital, as mentalidade carro-dependente que querem mais e mais estacionamento, nas duas imagens do «passeio» de 25 cm na Rua Câmara Pestana - um patético exemplo da criação, prioritária em Lisboa, de lugares de estacionamento à superfície mesmo quanto os arruamentos não comportam tal escolha. Este «passeio» é um absurdo total pois não é viável para a circulação de peões. Not pedestrian friendly at all!

Monday, December 15, 2008

SIZA: «20 anos do Incêndio do Chiado» em debate no CNC

«20 anos do Incêndio do Chiado»: debate que se realizou no dia 15 de Dezembro, às 18h30 no Centro Nacional de Cultura, no Largo do Picadeiro. O Arquitecto Álvaro Siza Vieira, após ter feito uma introdução sobre as circunstâncias que o levaram a dirigir o plano de reconstrução, respondeu a perguntas colocadas pelo público. Algumas ideias e reflexões saídas das 2 horas de conversa:

O Plano de reconstrução: «A Baixa-Chiado é um grande edifício»
«O Plano da Baixa era um plano de vanguarda para a época. Era preciso reconhecer a força vanguardista da proposta arquitectonica pombalina.» «Para a arquitectura moderna há tanto território, não é preciso sacrificar a cidade histórica.»

«Recusei-me a ceder às pressões para a construção de parques de estacionamento em cada um dos 18 edifícios afectados pelo incêndio. Para além de ser pouco viável (pois os lotes de cada prédio eram pequenos e só as rampas ocupariam imenso espaço) isso teria destruído a vivência que se queria para as ruas com comércio tradicional [de facto, seria um absurdo ter entradas de garagem de poucos em poucos metros, a interromper a vivência pedonal das ruas]

«Houve também muitas pressões para fazer um mini-centro comercial em cada prédio. Foi só depois de muitos debates e argumentação que os proprietários se convenceram que não era essa a vocação do Chiado. As pessoas vão ao Chiado por causa das lojas com entrada directa da rua - é essa permeabilidade que era importante preservar na reconstrução. Mas houve cedências - há um desses espaços na Rua do Carmo mas pelo que sei aquilo não funciona. As pessoas não se sentem atarídas por aqueles espaços pequenos em cave sem ligação à rua. O tempo deu-nos razão.»

Caixilharias: «As janelas estão aí para serem copiadas»
«É impossível manter a expressão elegante das caixilharias originais das janelas com a introdução do vidro duplo. O vidro duplo exige caixilharias muito grossas. A solução que encontramos foi manter no exterior as janelas originais em madeira e vidro simples - iguais às que estão aí - e por dentro instalamos uma segunda janela para obter o conforto ambiental.»

Circulação rodoviária: «As ruas de sentido único prejudicam as cidades.»
«Acaba por ser uma moda. Há cidades e vilas de província que já implementaram o sistema de ruas de sentido único e no entanto não têm qualquer problema de congestionamento.» «Pessoalmente não acredito que, a médio e longo prazo, traga algo de bom às cidades.»

Animação da Baixa-Chiado: «As cidades também precisam de dormir.»
[Exactamente! Começa a ser uma paranoia estar sempre a falar de "animação" - que em muitos casos mais não quer dizer que "comercialização do espaço público e monumentos, de que são exemplos lamentáveis a presença da TMN na Praça do Comércio]

Ficamos também a saber que o Arquitecto Siza já entregou à CML o Projecto de execução para a zona envolvente ao Convento do Carmo. Deste projecto faz parte, para além da conclusão da ligação pedonal entre a Rua Garrett e o Largo do Carmo (pelo interior do quarteirão), a criação de um novo jardim e miradouro na antiga cerca do convento. Informou também que a CML garantiu que há dinheiro para avançar com o projecto. Aguardemos...

Foto: estado actual da envolvente do Convento do Carmo / Elevador de Santa Justa, 20 anos depois do incêndio!

Friday, December 12, 2008

SIZA: «20 anos do Incêndio do Chiado» em debate no CNC

«20 anos do Incêndio do Chiado» é o tema da próxima edição do Jornal Falado que se irá realizar no dia 15 de Dezembro, às 18h30 no Ciber-Chiado do Centro Nacional de Cultura, no Largo do Picadeiro nº 10 - 1º.

O Arquitecto Álvaro Siza Vieira, e outros convidados, falarão sobre o projecto de reconstrução, em que uma das apostas foi a devolução ao público dos logradouros entre edifícios. A conversa abordará também a realidade actual desta zona histórica assim como os projectos futuros.

O debate será moderado pelo Dr. Guilherme d’Oliveira Martins, Presidente do Centro Nacional de Cultura.

ENTRADA LIVRE

Foto: as imaginativas novas "mansardas" do Hospital da Ordem Terceira (ilegais?)

Thursday, December 11, 2008

Comunicado: 'Inauguração' do Cais das Colunas

Caro(a) Amigo(a)

Foi com muita satisfação que tomámos conhecimento da cerimónia de 'inauguração' dos Cais das Colunas, prevista para amanhã, dia 12, pelas 11h.

Com efeito, ainda que o dito cais continue 'entalado' por aterros de pedras e lamas e, portanto, os seus degraus desçam direitos às pedras, as colunas, que agora se apresentam limpas, foram efectivamente recolocadas no seu local e aparentam ser genuínas.

Uma vez que as obras de saneamento já anunciadas publicamente deverão ser contemporâneas das do reperfilamento da Ribeira das Naus; uma vez que não se nos afigura próxima a remoção dos aterros acima referidos, e uma vez que a praça da Estação Fluvial também não será arranjada tão cedo, apenas se nos coloca uma pergunta: esta cerimónia é para quê?


Paulo Ferrero, Fernando Jorge e Virgílio Marques



Foto

Resolução do Conselho de Ministros n.º 192/2008

O Plano Director Municipal (PDM) de Lisboa foi ratificado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 94/94, de 29 de Setembro, tendo sido e foi alterado através das Resoluções do Conselho de Ministros n.os 104/2003, de 8 de Agosto, e 20/2004, de 3 de Março, e ainda, por força da ratificação do Plano de Pormenor de Artilharia Um, pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 69/2005, de 17 de Março.
Os artigos 38.º a 40.º do Regulamento do PDM de Lisboa determinam a elaboração de um plano de pormenor ou regulamento administrativo que tenha por fim a preservação e revitalização do conjunto arquitectónico e urbanístico da zona histórica da Baixa. Neste contexto, a Câmara Municipal de Lisboa, por deliberação de 19 de Março de 2008, determinou a elaboração do Plano de Pormenor da Baixa Pombalina e a aprovação dos respectivos termos de referência, nos termos do artigo 39.º do Regulamento do PDM de Lisboa.
A elaboração, ora a decorrer, do Plano de Pormenor para a Baixa Pombalina tem como pressupostos essenciais a preservação dos edifícios de traça e construção setecentista, bem como dos de especial interesse arquitectónico ou urbanístico, a definição das regras e condições a que devem obedecer as intervenções sobre o edificado e a identificação, protecção e integração dos valores históricos e
arqueológicos de especial interesse. A elaboração do Plano de Pormenor tem ainda como objectivo a revitalização da zona, através da definição de usos e intervenções de requalificação no edificado e no espaço público que tornem esta zona da cidade atractiva, dinâmica e competitiva do ponto de vista cultural, turístico e económico, à semelhança de outros grandes conjuntos patrimoniais existentes noutras cidades europeias.
Os trabalhos relativos ao Plano de Pormenor da Baixa Pombalina encontram-se já em adiantado estado de elaboração, existindo já uma versão preliminar do Plano, o que, aliado à urgência de algumas intervenções de reabilitação e requalificação da área em causa, justifica a suspensão do PDM de Lisboa e permite ainda a definição das medidas preventivas adequadas a permitir as intervenções necessárias e a garantir a execução do futuro plano.
Neste contexto, sob proposta da Câmara Municipal, a Assembleia Municipal de Lisboa aprovou, em 23 de Setembro de 2008, a suspensão parcial do PDM de Lisboa em vigor na área delimitada na planta anexa à presente resolução e o estabelecimento de medidas preventivas, pelo prazo de dois anos. Neste contexto de ausência de instrumento de planeamento territorial aplicável à área em causa, decorrente da suspensão do PDM agora aprovada, impõe-se o estabelecimento de medidas preventivas que visam permitir a realização de operações de requalificação e reabilitação urbana urgentes que, a não serem realizadas, poderiam comprometer e tornar mais onerosa a execução do futuro plano. Estas medidas preventivas garantem ainda a execução do futuro plano através da proibição da alteração substancial da situação existente, eliminando a possibilidade da realização de intervenções urbanísticas de maior impacte, designadamente as operações de loteamento e obras de urbanização que lhe estão associadas, bem como novas obras de construção de edifícios, reconstrução sem preservação das fachadas e trabalhos de remodelação dos terrenos.
Restringem-se as obras de ampliação, de reconstrução com preservação da fachada, bem como de obras de demolição, e definem-se as condições, excepcionais, em que podem ser realizadas obras de alteração.
No caso destas últimas, pretende-se garantir a preservação dos valores arquitectónicos e patrimoniais existentes, sem prejuízo da melhoria das condições de habitabilidade dos edifícios e da sua adaptação a novas exigências espaciais e funcionais.
Neste contexto, pretende-se melhorar o desempenho estrutural dos edifícios, permitindo as obras de alteração da estrutura resistente, sem prejuízo da necessária utilização dos materiais e técnicas de construção similares às originais, quando os edifícios ainda mantenham essas características, bem como as obras no interior dos edifícios que melhorem as respectivas condições de utilização.
Ainda no caso das obras de alteração, pretende-se garantir a manutenção ou reposição das fachadas e métrica pombalinas, bem como dos materiais e revestimentos exteriores que visem a reposição das características primitivas dos edifícios e eliminar os elementos dissonantes posteriormente introduzidos.
Estas medidas preventivas, garantindo os objectivos essenciais que presidiram ao seu estabelecimento, não impedem as intervenções que venham a revelar-se necessárias ou oportunas nas infra-estruturas públicas e na melhoria dos espaços públicos de utilização colectiva.
Importa, ainda, referir que as operações de reabilitação e requalificação urbana da frente ribeirinha de Lisboa, de iniciativa do Governo, cujos objectivos e principais linhas de orientação constam do documento estratégico «Frente Tejo», aprovado em anexo à Resolução do Conselho de Ministros n.º 78/2008, de 15 de Maio, se encontram,
na zona de intervenção da Frente Ribeirinha da Baixa Pombalina, parcialmente abrangidas pela suspensão do PDM de Lisboa e respectivas medidas preventivas, agora
aprovadas.
Verificando-se que as medidas preventivas não impedem a realização das operações de reabilitação e requalificação urbana da iniciativa do Governo previstas para a área em causa, está assegurada, neste aspecto, a conformidade legal das referidas medidas preventivas.
Importa ainda referir que a área a abranger pelas medidas preventivas agora estabelecidas não inclui as quatro áreas assinaladas com a letra B na planta anexa
à presente resolução, que seencontram já abrangidas pela suspensão do PDM ratificada pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 153/2008, de 14 de Outubro, e pelas medidas preventivas publicadas pela mesma resolução.
Refira-se ainda que nos últimos quatro anos não foram estabelecidas quaisquer medidas preventivas para a área objecto da presente regulamentação cautelar.
A presente suspensão foi instruída com a colaboração da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo, nos termos do n.º 8 do artigo 96.º do Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro, na redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 316/2007, de 19 de Setembro.
Assim:
Ao abrigo do disposto na alínea b) do n.º 2 do artigo 100.º do Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro, na redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 316/2007, de 19 de Setembro, e nos termos da alínea g) do artigo 199.º da Constituição, o Conselho de Ministros resolve:
1 — Ratificar a suspensão parcial do Plano Director Municipal de Lisboa, pelo prazo de dois anos, na área delimitada na planta anexa à presente resolução e que dela faz parte integrante, abrangendo os artigos 38.º, 39.º e 40.º do respectivo Regulamento.
2 — Publicar, em anexo, o texto das medidas preventivas aprovadas pela Assembleia Municipal de Lisboa, em 23 de Setembro de 2008, para a mesma área a vigorar pelo prazo de dois anos.
Presidência do Conselho de Ministros, 27 de Novembro de 2008. — O Primeiro-Ministro, José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa.

ANEXO
Medidas preventivas para a área classificada como área histórica da Baixa (área A)
pelo Plano Director Municipal de Lisboa
Artigo 1.º
Âmbito territorial
Fica sujeita a medidas preventivas a área assinalada com a letra A na planta anexa (com excepção das áreas assinaladas com a letra B), à escala de 1:5000, que correspondeà área classificada como área histórica da Baixa pelo Plano Director Municipal de Lisboa, ratificado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 94/94, de 29 de Setembro, a abranger pelo futuro Plano de Pormenor da Baixa Pombalina, actualmente em elaboração.
Artigo 2.º
Âmbito material
1 — Na área assinalada com a letra A na planta anexa, com excepção das áreas assinaladas com a letra B, as medidas preventivas consistem na proibição de:
a) Operações de loteamento e obras de urbanização;
b) Obras de construção;
c) Obras de ampliação, com excepção das obras de ampliação parcial em cave que tiverem por objectivo implantar equipamentos e meios técnicos imprescindíveis à
reabilitação funcional e ou à segurança dos edifícios, e que não provoquem danos nas estruturas do próprio edifício ou no edificado próximo;
d) Obras de alteração, com excepção:
i) Das obras de alteração de coberturas dissonantes que tiverem por objectivo a reposição da sua coerência geométrica para harmonização com as coberturas adjacentes
no contexto da rua e do quarteirão;
ii) Das obras de alteração das fachadas que tiverem por objectivo atingir um melhor comportamento estrutural do edifício, com reposição das métricas pombalinas;
iii) Das obras de alteração das fachadas que tiverem por objectivo a supressão de elementos dissonantes, tais como gradeamentos, caixas de estores e unidades de ar
condicionado;
iv) Das obras de alteração da estrutura resistente que tiverem o propósito de criar uma estrutura, compatível com o modelo original, em edifícios em estado de pré- ruína, total ou parcial, devidamente comprovado por vistoria municipal,
v) Das obras de alteração da estrutura resistente que tiverem o propósito de garantir o bom desempenho estrutural de edifícios onde a estrutura original tenha sido profundamente alterada pela inclusão de elementos estruturais diversos e não colaborantes, atingindo-se uma situação de irreversibilidade;
vi) Das obras de alteração da estrutura resistente, recorrendo, sempre que possível, a materiais e técnicas construtivas similares às originais, que tiverem o propósito de garantir a melhoria do desempenho estrutural dos edifícios, adaptando-os às exigências espaciais e funcionais da vida contemporânea, sem supressão dos elementos, componentes e materiais originais coerentes e em bom estado de conservação;
vii) Das obras de alteração das divisões interiores que tiverem o propósito de realizar alterações, para melhoria de condições de habitabilidade, nomeadamente introdução de instalações sanitárias, cozinhas e elevadores, e que promovam a preservação dos elementos arquitectónicos e decorativos eventualmente ainda existentes e garantam a estabilidade e a compatibilização das soluções estruturais;
viii) Das obras de alteração das divisões interiores que tiverem o propósito de promover a reabilitação funcional de edifícios profundamente alterados nas suas características primitivas e que sejam compatíveis com as estruturas originais remanescentes e com as fundações;
ix) Das obras de alteração de materiais de revestimentos exteriores, com excepção de azulejos, que visem a reposição das características primitivas dos edifícios;
e) Obras de reconstrução sem preservação das fachadas;
f) Obras de reconstrução com preservação das fachadas, com excepção dos casos identificados na lista constante do anexo ao presente texto, onde actualmente só existem as fachadas dos edifícios, devendo nestes casos não ser ultrapassada a cércea, a altura total e a volumetria dos edifícios primitivos e serem adoptadas soluções estruturais compatíveis;
g) Trabalhos de remodelação de terrenos;
h) Obras de demolição, total ou parcial, de edificações existentes, com excepção dos edifícios, ou das partes e elementos construtivos de edifícios, que, comprovadamente,
por vistoria municipal, ameacem ruína ou ofereçam perigo para a saúde pública e para a segurança das pessoas, que visem a consolidação e reforço de estruturas e fundações
ou que resultem de projectos aprovados nos termos das alíneas anteriores.
2 — A realização das obras permitidas ao abrigo das alíneas do número anterior fica sujeita a prévio parecer vinculativo do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR, I. P.), sem prejuízo de quaisquer outros condicionalismos legalmente exigidos e dos pareceres que o referido organismo emite no âmbito da Lei do Património Cultural (Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro).
3 — Ficam excluídas do âmbito de aplicação das medidas preventivas as acções validamente autorizadas antes da sua entrada em vigor, bem como aquelas em relação às
quais existe já informação prévia favorável válida.
Artigo 3.º
Âmbito temporal
As medidas preventivas vigorarão pelo prazo de dois anos a partir da suspensão parcial do Plano Director Municipal, ou até à entrada em vigor do Plano de Pormenor
da Baixa Pombalina, se tal ocorrer antes do termo daquele prazo.
Artigo 4.º
Entrada em vigor
As medidas preventivas entram em vigor no dia seguinte ao da sua publicação no Diário da República.

TERREIRO DO PAÇO: a TMN mal disfarçada de Natal - II




Sunday, December 7, 2008

«CRITÉRIOS DA BAIXA»: Praça da Figueira, 6B-6C


Demos todos as boas vindas aos novos reclames luminosos desta nova loja na Praça da Figueira!

Numa praça classificada IIP, «Em Vias de Clasificação» para Monumento Nacional, e parte integrante da BAIXA POMBALINA, candidata a classificação pela UNESCO!

São estes os critérios de gestão da BAIXA? É com estes exemplos que queremos convencer a UNESCO que estamos sérios quanto à candidatura da BAIXA a Património Mundial da Humanidade?

Isto é ilegal? Foi licenciado pela CML? Foi aprovado pelo IGESPAR? O que é que se passa?

Wednesday, December 3, 2008

Exposição: Lisboa 1758 - O Plano da Baixa Hoje


LISBOA 1758

O PLANO DA BAIXA HOJE

Praça do Comércio - Páteo da Galé

A exposição continua até 28 de Dezembro

Horário: todos os dias - 11hoo-19hoo

Entrada Gratuita aos Domingos

Visitas Guiadas: quinta-feira - 11h00 e 14hoo

Marcações: 21 798 89 96 / 21 798 85 26

ATENÇÃO: cuidado, não tropeçar nas 24 bolas gigantes da TMN!

Tuesday, December 2, 2008

ROSSIO: o mega cenário autista da «Jogos Santa Casa»



Algumas imagens das insensíveis «Decorações de Natal» que a Jogos Santa Casa e a CML prepararam para desfigurar o Rossio até Janeiro. É um absurdo terem autorizado esta gigante construção kitsch que tapa completamente a base do monumento a D. Pedro IV. E quando observado dos passeios laterais, cerca de 2/3 dos imóveis pombalinos da praça ficam invisíveis, atrás desta fantasia mais própria da Disneyworld do que de uma zona urbana histórica candidata a Património Mundial da Humanidade. Este mega cenário autista é suposto contar a história do "Quebra Nozes"... Mas é apenas mais um exemplo do tipo de exploração descontrolada do espaço público de Lisboa. Neste caso é particularmente grave por se tratar de uma praça emblemática da Baixa que está «Em Vias de classificação» como Monumento Nacional. Mais uma vez, questionamos o silêncio do Ministério da Cultura / IGESPAR responsáveis, segundo a lei, pela classificação e salvaguarda dos Monumentos Nacionais. Tal como acontece com a estátua equestre de D. José, também aqui a fachada do Teatro Nacional está iluminada do azul TMN. Para que não haja a menor dúvida a quem pertence a Baixa durante o Natal.

Monday, December 1, 2008

TERREIRO DO PAÇO: a TMN mal disfarçada de Natal


Mais duas imagens das mal disfarçadas «Decorações de Natal» que a TMN e a CML prepararam para nos enfiar pelas goelas abaixo até Janeiro (pois não sabemos até quando vão lá ficar as 24 bolas gigantes). Esta exploração acontece numa Praça classificada como Monumento Nacional. Que dizer do silêncio do Ministério da Cultura / IGESPAR responsáveis, segundo a lei, pela salvaguarda dos Monumentos Nacionais?

Friday, November 28, 2008

Porquê gastar 3 mil milhões para atravessar o Tejo, se custa 300 com novas tecnologias?

«Porquê gastar 3 mil milhões para atravessar o Tejo, se custa 300 com novas tecnologias?»

in Jornal Económico por Jack Soifer

"As grandes capitais como Paris e Londres têm transporte integrado com minibus a biogás nos suburbios até ao metro no centro, com o mesmo cartão. Têm grandes parques junto às estações de comboio e metro; portagens se o automóvel entra na cidade.

Muitos engenheiros afirmam que a Ponte Vasco da Gama tem capacidade até 2030 ou mais. Falta um túnel para comboios! É a mais simples e barata solução. Não altera a vista nem o habitat das aves. O de Estocolmo, para o metro, e o do Canal da Mancha, para comboio de passageiros e veiculos, mostrou ser o melhor. Hoje é pré-construido à beira-rio em módulos estanques, rebocados, localizados a GPS e afundados numa semi-vala pré-dragada no rio, similar aos de Boston e Baltimore.

Um terramoto danificaria a ponte planeada, como em S.Francisco; um tunel modulado usa um tipo de airbag que fecha o módulo afectado sem danificar o resto do tunel.

As formas estão prontas, a tecnologia usada. Se querem quatro vias, faz-se dois tuneis. Enquanto a ponte limita a uma dúzia os possiveis concorrentes e permite todo o tipo de lobi, o tunel, após o projecto, pode abrir-se para oitenta concorrentes, todos locais. Usa 100% de materiais fabricados cá, por empresas de cá, com empregados de cá.

A quem interessa gastar 3 mil milhões em vez de 300 ? Quem vai pagar 30 dos 40 mil milhões em obras faraónicas ? Em portagens, tarifas e impostos, um mlhão de contribuintes terão de pagar, cada um, mais 5 mil euros por ano em 6 anos para satisfazer o lobi de uma duzia de empreiteiras? Inovar é usar um tunel para atravessar o Tejo."

[Um interessante texto publicado no Jornal Económico no passado dia 5 de Maio. De facto, porque razão se insiste numa solução que vai provocar tantos impactos negativos na paisagem urbana consolidada de Lisboa? Porquê massacrar mais as freguesias da zona oriental quando existe uma solução com impactos visuais menores e mais económica? Porquê perturbar outra vez a vida selvagem do estuário do Tejo com outra ponte? Porquê intervir de maneira tão brutal no Skyline histórico de Lisboa? Esta decisão autista do governo vai também complicar a candidatura da BAIXA à UNESCO - é bom lembrar que a área a classificar inclui uma zona tampão no próprio Tejo].

Thursday, November 27, 2008

«CONTO DO NATAL» OU «CONTO DO VIGÁRIO»?




É uma vergonha, nacional, ver as duas principais praças históricas da capital transformadas em feiras de publicidade.

Com a desculpa, mal disfarçada, do Natal, uma empresa de telemóveis instalou-se na Praça do Comércio com 24 grandes balões.

E no Rossio, uma instituição que pela sua história centenária devia dar o exemplo de boas práticas e de respeito pelo património, ergueu uma enorme estrutura kitsch, evocação pueril da terra do Pai Natal, que tapa o monumento a D. Pedro V [assim como a fachada do Teatro Nacional!].

Os impactos negativos são óbvios e não precisam de mais argumentação para além de uma breve e simples visita aos sítios (ver fotografias). Não se pode aceitar que a Praça do Comércio e o Rossio, com pretensões de serem classificadas pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade, possam estar durante mais de dois meses desfiguradas por estruturas de publicidade desta dimensão. Mas antes de se falar na hipotética classificação por um organismo internacional, os cidadãos questionam o silêncio do IGESPAR. Sendo evidente que a plena fruição destes imóveis classificados está comprometida pelas estruturas de publicidade agressiva – e tendo em consideração que a fruição dos bens culturais é um direito que está consagrado na Lei do Património - porque razão o Ministério da Cultura / IGESPAR não salvaguardam a integridade patrimonial da Praça do Comércio e do Rossio? Foram consultados?

Seria impossível um cenário destes em Londres, na Trafalgar Square ou em Paris, na Place de la Concorde. Será que a CML já se esqueceu que a Praça do Comércio é a única do país classificada como «Monumento Nacional»? E que a classificação da Baixa está em vias de ser alterada de Imóvel de Interesse Público para Monumento Nacional? As ocupações do espaço público que prejudiquem a visualização integral dos monumentos devem ser proibidas.

É lamentável ver todos os anos a Baixa explorada desta maneira pelas grandes marcas e empresas. E tudo com a aprovação da CML - a mesma que organiza uma exposição que celebra os 250 anos do Plano da Baixa. É frustrante ver o novo executivo da CML a repetir erros de executivos anteriores, num ciclo vicioso que só projecta Lisboa como cidade provinciana, onde a história e o património estão sempre disponíveis, por um preço, em euros.

FOTO: Conto do Natal?! Conto do Vigário!

Wednesday, November 26, 2008

STREETCAR DESIRE...

In Los Angeles, where the car is king, an unlikely mode of public transport is making a comeback: the tram. Following the model set by cities such as Portland (pictured) and Seattle, which have reintroduced trams in recent years to great success, LA is planning to build a 5Km system as part of an overall revitalization of the city’s Broadway commercial corridor. Ironically, before highways crisscrossed southern California, LA had one of the largest tram systems in the world, with 20 lines, nearly 970km of track, and more than 1,200 trams. The system reached its peak in the 1930’s and then faced a losing battle with the car, finally disappearing in 1963.

The big question now is whether Angelenos will want to ditch their cars in favour of something greener.

DING DING – US tram projects:
CINCINNATI: 10-12km loop
COLUMBUS: 4.5km system
ATLANTA: two lines and 16km of track
MIAMI: 16km system that’s part of a 2 billion euro redevelopment project
AUSTIN: 24km linking airport and city
In MONOCLE, Novembro 2008, pág. 38

(esta história parece muito familiar... e também podemos fazer a mesma pergunta que aparece no final do artigo: «Será que os lisboetas irão descartar os seus carros em favor de algo mais verde?» Depois de tantas décadas de investimento na mobilidade centrada nas viaturas de transporte individual...)

Tuesday, November 25, 2008

TMN vai ter de reduzir publicidade natalícia com que ocupou Terreiro do Paço

A Câmara de Lisboa pediu à empresa TMN para reduzir a publicidade natalícia com que ocupou todo o Terreiro do Paço, e que gerou reacções de espanto e indignação entre muitos dos munícipes que por ali pas-
saram ontem. A operadora de tele-
comunicações é uma das patrocina-
doras das iluminações de Natal da cidade, e foi nessa qualidade que encheu o Marquês de Pombal e a Praça do Comércio de totens encimados por megabalões com o símbolo da marca em grandes letras.
Algo que contraria as promessas do presidente da autarquia, que disse que a publicidade dos patrocinadores seria pouco ostensiva. Interrogado ontem sobre o assunto, remeteu a resposta para o seu vice-presidente, que admitiu que, apesar de estar "dentro das regras do concurso" lançado pela autarquia para o efeito, a ocupação da Praça do Comércio se mostra "visivelmente excessiva". O autarca não explicou no entanto se a redução da publicidade será feita por via da diminuição do número de estruturas ou da redução da dimensão de cada uma delas. Nem quais as consequências que a alteração poderá ter no patrocínio da TMN.
"Foi uma nave espacial que apareceu ali e que vai distribuir imensos telemóveis a todos os lisboetas", ironiza a vereadora social-democrata Margarida Saavedra, acrescentando que só assim se justifica semelhante ocupação. O porta-voz da TMN, Francisco Lucena, diz que vão efectivamente ser retirados "alguns pontos de iluminação" da Praça do Comércio, e que a ideia, que funcionava em maquete, teve um efeito diferente quando aplicada à realidade.

In Publico

Tuesday, November 18, 2008

Para quando uma Lisboa sóbria?


Vem isto a propósito dos posts do João Leonardo e do Fernando Jorge, sobre as iluminações da praxe nesta Quadra, sempre rodeadas da polémica da praxe; não tanto em torno da qualidade e estética daquelas, mas das verbas e concursos respectivos, porque tudo nesta terra parece reduzir-se a uma questão de dinheiro. Perdoem-me a franqueza mas a mim o que me importa é se as luzes de Natal em Lisboa são saloias, pirosas ou sóbrias.

É uma questão de opinião, mas os balõezinhos e claves-de-sol coloridos, em regime de pisca-pisca histérico, que pululam ciclicamente por Lisboa, mais os pseudo-laser de pechisbeque e demais 'invenções artísticas' dos 'criativos' indigitados anualmente para o efeito (vá lá que este ano não temos os pastorzinhos nem as ovelhinhas a néon...) e dignas das Blackpool Illuminations; em nada, mas mesmo nada, dignificam esta cidade, que pretendemos seja uma Capital não da parvónia, mas cosmopolita, sóbria e com requinte. O pior é que ela já o foi. Parece que foi sempre assim, mas não foi.


Foto: Paris

Que comércio para a Baixa? (3)

Que comércio para a Baixa? (2)

In Público 15.09.2007
António Sérgio Rosa de Carvalho

«A Baixa pombalina lisboeta e a dinâmica "Chindia"

A Baixa vive no presente uma crise profundíssima, que poderá levar a ser interpretada como "terra de ninguém"


Afinal, qual é a importância da Baixa pombalina para o património mundial, ocidental e europeu? Qual é o seu significado para Portugal, visto precisamente neste vasto contexto da história urbanística e das ideias?
A reacção do Marquês ao cataclismo transporta em si, através de uma estratégia sócio-política e de um método racional, uma vontade de aproveitar este desastre para conceber uma nova sociedade.
A Baixa, apesar da sua unidade tipológica, da sua racionalidade de composição no espaço, da sua estandardização dos métodos de produção, não abdica, através da grande tradição barroca, de um urbanismo monumental e simbólico, bem patente na alternância dos seus espaços públicos, das suas igrejas e praças, culminando este jogo espacial na grande Place Royale, grande espaço institucional, a que se decidiu de forma ilustrativa do projecto político-social chamar de Praça do Comércio.
A Baixa constitui, portanto, um décor de um projecto iluminista de reforma da sociedade, da criação de uma classe mercantilista e de uma dinâmica comparável às sociedades protestantes. A construção do décor cumpriu-se. O projecto sócio-político não.
A Baixa constitui, portanto, um grande monumento urbanístico, técnico, sociológico, e portanto, na perspectiva ocidental, um monumento civilizacional.
Ora, em toda a Europa, nos centros históricos desta importância, é aplicada uma estratégia de planeamento comercial, que determina as características e a qualidade do comércio a instalar por zonas.
A Baixa vive no presente uma crise profundíssima, de uma decadência híbrida, que poderá levar a ser interpretada como "terra de ninguém" pelas dinâmicas expansionistas do comércio global.
A pressão exercida nos pequenos espaços que vão vagando pela dinâmica "Chindia" é tremenda.
Interpretar este desafio numa perspectiva étnica é um absurdo ilustrativo de como algumas manifestações do "politicamente correcto", inibem e toldam o discernimento e a evidência.
Trata-se de determinar se as características de um certo tipo de comércio se enquadram na dimensão cultural e civilizacional de tão importante monumento. Daí a necessidade também de rigor nas actividades a desenvolver na Place Royale que constitui a Praça de Comércio, em virtude da sua carga simbólica e da gravitas que o seu peso institucional e dimensional implicam.
Citando aquilo que já afirmei num artigo anteriormente publicado no PÚBLICO: "A Baixa não é um "bairrozito". Apesar de decadente, é uma city europeia e foi assim que ela foi concebida."
Afinal, os representantes destas duas grandes e antiquíssimas civilizações estão no seu papel nesta nova dinâmica de expansão económica no contexto globalizante. Cabe-nos a nós desempenhar o nosso. Historiador de Arquitectura»

Que comércio para a Baixa? (1)

Que comércio para a Baixa? (1)
Chegado por email:


«Caros Amigos,
Envio-lhes estes dois textos da minha autoria publicados no Público.
Eles ilustram a minha profunda preocupação em relação a este tema, tão importante para aquela que foi e que deveria continuar a ser a nossa zona de excelência no que diz respeito o comércio tradicional.
O "caso" da "Lua de Mel" é apenas mais um exemplo daquilo que está a acontecer todos os dias, de forma progressiva, na Baixa, temendo-se o pior com a Crise que se anuncia.
Basta compararmos a evolução positiva que toda a zona do Largo de S. Carlos, Rua Anchieta até ao Largo de S. Carlos com estabelecimentos como a "Brasserie Austriaca", o "Café do Chiado", a Loja do "EL Caballo" ( etc.)e diga-se de passagem a verdadeira loja de Artigos Turísticos dirigidos ao Turismo Cultural que constitui a Loja da Catarina Portas, com o que está já a contecer com os dois importantes eixos de rota turística que passo a descrever :
- O primeiro trata-se daquele que se inícia na Rua da Conceição (outrora zona consolidada de retrosarias e que já começa a apresentar as suas "brechas" e "rupturas" com a penetração do tipo de Comércio que descrevo nos meus textos ) e que se prolonga através do Largo da Igreja de S. António, passando pela Sé até ao Largo das Portas do Sol. Ora esta zona que tinha uma função de prestigio consolidada com Antiquários e outras lojas de artigos turísticos de qualidade, começa a ver nela instalados estabelecimentos do tipo descritos e carcterizados por mim nos meus textos.
- E que pensar da instalação de uma loja deste tipo num antigo Antiquário em plena Rua D. Pedro V ( Zona con função comercial de prestigio consolidada )entre os Antiquários tal como aconteceu ?
Tudo isto tem uma importância extraordinária para a imagem de Lisboa como produto europeu de Turismo Cultural que tem que ser baseado na Qualidade, Autenticidade e Criatividade !
Isto também ilustra uma ausência total de estratégia por parte da C.M.L. na área do Urbanismo Comercial com consequências graves para a nossa qualidade de vida no quotidiano, para o potencial turístico de Lisboa, dependente de Identidade e Autenticidade, e consequência de indeferença ou de total incompetência por parte da Câmara.
Um Abraço de António Sérgio Rosa de Carvalho
»

Monday, November 17, 2008

Lojas do Chiado alargam horário para o Natal

As lojas da zona do Chiado alargaram o horário de funcionamento até uns dias depois do Natal. O objectivo é dinamizar o comércio. Mas na noite de sábado, ainda eram poucos os clientes às compras.

Mais de uma centena de lojas da zona do Chiado, em Lisboa, decidiu começar a ter as portas abertas por um maior período de tempo. Até ao Natal, aos sábados, passam a fechar às 23 horas. E nos restantes dias (incluindo domingos) fecham às 20 horas. A intenção passa por impulsionar a movimentação na zona e cativar as pessoas para esta zona da cidade tentando, assim, fazer face à dura concorrência das grandes superfícies comerciais da cidade.

Estes novos horários começaram a partir da noite de sábado. Todavia, o JN esteve na zona e constatou que, por volta das 22 horas, apenas cerca de metade das lojas tinham as portas abertas. E nessas não abundava clientela.

"A partir das 21 horas não entrou mais um único cliente aqui na loja", desabafou, ao JN, Susana Gonçalves, uma das responsáveis da loja Stradivarius, na rua do Carmo. Mesmo assim, a comerciante vai continuar a adoptar este novo horário até aos dias de Natal.

"Estou convencida que, para já, as pessoas ainda não têm conhecimento que as lojas fecham mais tarde porque não tem havido grande divulgação", afirmou. Na sua óptica, há ainda outra razão que pode explicar a escassa quantidade de clientes: a badalada crise económica.

A comerciante aproveitou ainda para manifestar uma séria preocupação: a segurança nas ruas. Na sua opinião, as ruas do Chiado sofrem de escassez de policiamento: " Se durante o dia já não sentimos muito segurança, agora à noite é ainda pior - eu estou aqui cheia de medo", confessou.

Entretanto, assinale-se que foi na mesma noite de sábado que se acenderam, pela primeira vez este ano, as iluminações de Natal.

In JN

Saturday, November 15, 2008

Lisboa mergulha na febre do Natal com inauguração da iluminação festiva

It may still be six-and-a-half weeks until Christmas, but in many places, preparations are already starting, such as above at Madrid’s Atocha railway station. But for some, the festive spirit is tempered by other considerations.

The Union of Consumers has written to the mayor of Seville, Alfredo Sánchez, asking him to ensure the city does not allow Christmas street lights to be left on for too long, “with the double objective of reducing CO2 emissions and protecting the economies of Spanish families”.

In INTERNATIONAL HERALD TRIBUNE, 10 de Novembro de 2008

No dia em que os nossos políticos inauguram as iluminações de Natal em Lisboa, fica esta notícia de Espanha para reflexão. As medidas para redução de emissões de CO2 continuam a ser assunto de pouca importância - não iluminam tanto a vaidade política como as preocupações, genuínas, com a conservação e melhoramento do Ambiente da capital.

Wednesday, November 12, 2008

5' em dia, supostamente, por Lisboa (3)


O Sr.Presidente teve também tempo para confirmar, a quem estava atento, aquilo que eu já dissera aqui, ou seja: está completamente confuso sobre o tal de acesso mecânico ao Castelo, desde a colina de São Cristóvão. Ou seja:

Confunde elevador dentro do prédio do final da Rua da Vitória, com escadas rolantes públicas dentro do piso térreo da Rua dos Fanqueiros e do lado de lá, na Rua da Madalena. Idem com o acesso ao longo do edifício do antigo Mercado do Chão do Loureiro. E quão grande é a diferença, santo Deus, além de que só a escolha de escadas rolantes é minimamente credível e fundamentada tecnicamente, e a única suficientemente capaz de ser eficiente e eficaz, que é o que se deseja. Se é para colocar um elevador em cada sítio, mais vale ficar tudo na mesma.

Mais uma vez, nem a mesa nem os organizadores fizeram qualquer pergunta sobre isto. Nem houve intervenção do público.

5' em dia, supostamente, por Lisboa (2)


O Sr. Presidente contradisse-se inequivocamente quanto à suspensão de artigos do PDM para efeitos de Plano de Pormenor da Baixa Pombalina ao deixar escapar que embora sendo a suspensão directamente para 4 projectos «estruturantes» (*) (as aspas são minhas), lá foi adiantando que a suspensão é precisa para ... obras de alterações nos edifícios de modo a que se atraia mais moradores à Baixa, uma vez que a condicionante imposta no PDM - apenas obras de conservação e restauro - não chegam para esse fim. Ou seja, duas consequências: é o começo de obras de alterações 'por dá cá aquele palha' e é o fim de qualquer hipótese (já ténue, diga-se de passagem) de candidatura da Baixa Pombalina à UNESCO. Mas é bom que as coisas sejam claras e que cada qual assuma as suas responsabilidades.

Curioso foi ver que, mais uma vez, nem a mesa nem os organizadores fizeram qualquer pergunta sobre isto. Nem houve intervenção do público.


(*) Abertura dos museus da Moda e do Design (edificio BNU/Rua Augusta); Museu da Moeda (Igreja de São Julião e edifício contíguo, ambos do Banco de Portugal); acesso mecânico ao Castelo; e demolição de anexos ilegais no Quartel do Carmo.

5' em dia, supostamente, por Lisboa (1)


«diagonal | s. f. | adj. 2 gén.
do Lat. diagonale < Gr. diá, através + gonia, ângulo
s. f.,
segmento de recta que, num polígono ou poliedro, une vértices de ângulos não situados sobre o mesmo lado ou sobre a mesma face;
direcção oblíqua;
adj. 2 gén.,
oblíquo».

Em vez da Circular das Colinas, vem aí a 'Diagonal Nascente-Poente'. Foi o Sr. Presidente que o anunciou ontem, no São Luiz, em mais uma jornada por A.Costa, perdão, por Lisboa. E disse mais:

Disse que, aproveitando o túnel do Marquês que já lá está [mas o PS não era, e bem, contra o túnel?], e uma vez que a Circular das Colinas foi liminarmente vetada pela AML, há a possibilidade de construir uma diagonal, passando pela Av. Duque de Loulé [túnel?], passando pelos edifícios desactivados do Arquivo de Identificação de Lisboa [partindo edifícios? em túnel?], e pelos terrenos do D.Estefânia [esventrando os jardins? partindo pavilhões? A CML já se pronunciou sobre a desafectação do D.Estefânia, como devia? ou faz figura de corpo presente?], também em vias de ser desactivado, e abrir uma diagonal nascente-poente que leve os carros do Marquês ao Alto de São João [suponho que por via da construção de túnel no final da Pascoal de Melo?].

Curioso foi ver que nem a mesa nem os organizadores fizeram qualquer pergunta sobre isto. Nem houve intervenção do público.

Tuesday, November 11, 2008

"UM DIA POR LISBOA - Fazer e não fazer" - A Baixa e o Chiado


A Baixa e o Chiado

Jardim de Inverno do Teatro São Luíz, 11 de Novembro, 18h-24h

(mais) uma sessão cívica "UM DIA POR LISBOA – Fazer e não fazer"

No dia 11 de Novembro, no Jardim de Inverno do Teatro São Luíz, vai realizar-se a quarta sessão de expressão de cidadania organizada pelo grupo "Um Dia Por Lisboa".

Com entrada livre a sessão vai decorrer desde as 18h as 24h. Mais uma vez, convidamos vários cidadãos, entre eles alguns peritos, para virem falar sobre o que SE DEVE FAZER, e o que consideram que absolutamente NÃO SE DEVE FAZER, desta vez sobre a Baixa e o Chiado expectativas de importantes investimentos públicos, de pressões imobiliárias de índole desconhecida. Cada convidado terá dez minutos para fazer a sua declaração, e após cada bloco de declarações desenvolver-se-á um pequeno debate, com a participação do público. As diferentes intervenções serão balizadas por três grandes questões:

1. Que papel queremos para a Baixa-Chiado, qual a mistura ideal de moradores, turistas, comércio, hotelaria, serviços e animação? E para o Terreiro do Paço em particular?

2. Que concessões estamos dispostos a fazer para concretizar essa visão?(demolição de edifícios, fecho de ruas ao trânsito, alterações de uso)

3. Aquilo que se deve fazer e o que não se deve deixar fazer na Baixa?

O programa da sessão é o seguinte:

18h00 - Projectos previstos para a Baixa

18.30h - Passear & Comprar

19.30h - Trabalhar & Habitar

20.30h - Imaginar

21.30h - Ponto de situação relativa à Zona Ribeirinha de Lisboa

22.00h -Governar & Planear

João Biencard Cruz, Sociedade Frente Tejo, articulação do Terreiro do Paço com a zona ribeirinha

Manuel Salgado, Vereador CML, os planos e expectativas da CML

António Manuel, Presidente da Junta Freguesia S. Nicolau, expectativas dos moradores

Luis Patrão*, Presidente Instituto de Turismo de Portugal, o papel da Baixa para o turismo de Lisboa

Elísio Summavielle, Presidente IGESPAR (*a confirmar)

ENTRADA LIVRE

Foto: dois exemplos do que NÃO se deve fazer na Baixa - alterações caóticas de coberturas (Rua da Alfândega e Rossio)!

Monday, November 10, 2008

«Bicycle-sharing changing the face of Europe»

in INTERNATIONAL HERALD TRIBUNE, 9-11-2008
Barcelona: In increasingly green-conscious Europe, there are said to be only two kinds of mayors: those who have a bicycle-sharing program and those who want one.

Over the past several years, the programs have sprung up and taken off in dozens of cities, on a scale no one had thought possible and in places where bicycling had never been popular.

The sharing plans include not just Paris's Vélib', with its 20,000 bicycles, but also wildly popular programs with thousands of bicycles in major cities like Barcelona and Lyon. Programs operate in Pamplona, Spain; Rennes, France; and Düsseldorf. Even Rome, whose narrow, cobbled streets and chaotic traffic would seem unsuited to pedaling, recently started a small trial program, Roma-n-Bici, which it plans to expand soon.

For mayors looking to ease congestion and prove their environmental bona fides, bike-sharing has provided a simple solution: For the price of a bus, they get a fleet of bicycles, and they can avoid years of construction and the approvals required for a subway. For riders, joining means cut-rate transportation - as well as a chance to contribute to the planet's well-being.

The new systems are successful in part because they blanket cities with huge numbers of available bikes, but the real linchpin is technology. Aided by electronic smart cards and computerized bike stands, riders can pick up and drop off bicycles in seconds at hundreds of locations, their payments deducted from bank accounts.

"As some cities have done it, others are realizing they can do it, too," said Paul DeMaio, founder of MetroBike, a U.S.-based bike-sharing consultant that tracks programs worldwide. "There is an incredible trajectory."

The huge new European bicycle-sharing networks function less as recreation and more as low-cost, alternative public transportation. Most programs (though not Paris's and Lyon's) exclude tourists and day-trippers.

Here in Barcelona, streets during rush hour are lined with commuters and errand-goers on the bright red bicycles of Bicing, the city's 18-month-old bike-sharing program. Bicing offers 6,000 bicycles from 375 stands scattered every few blocks; all the bikes seem to be in nearly constant motion.

"I use it every day to commute - everyone uses it," said Andre Borao, 44, an entrepreneur in a gray suit with an orange tie, as he prepared to ride home for lunch. "It's convenient, and I like the perspective of moving through the streets."

The expanding program in Barcelona is typical of so-called third-generation programs that rely heavily on technology. (In its first generation, bike-sharing involved scattering old bikes around the streets of Copenhagen, where they could be used for free; second-generation programs accepted coins.)

Here, customers buy a yearly membership for about $30 and get a smart card that allows them to release a bike from a mechanized dock. The first 30 minutes are free, with a charge thereafter of 30 cents for each half-hour. Bikes must be returned within two hours, or members face smart-card deactivation, but they can be returned to any bike rack in the network.
Programs in Germany and Austria tend to work on a different system: Members receive cellphone text messages providing codes to unlock the bikes.

Cities like Copenhagen and Amsterdam have long been home to devoted bicycling commuters. But the new programs have created the greatest transportation revolution in central and southern Europe, where warmer climates allow riders to move about comfortably year-round. The shared bicycles in Barcelona, Lyon and Paris are heavily used - logging about 10 rides a day, according to officials in those cities.

In North America, issues like insurance liability, a stronger car culture, longer commutes and a preference for wearing helmets have slowed adoption of bicycle-sharing programs. None of the European programs mandate helmets. Still, Washington and Montreal are experimenting with small projects, and Chicago, Boston and New York are studying options.

Perhaps the best indication that bicycle-sharing has arrived is this: Shanghai, which 10 years ago was trying to eliminate bicycles from some of its boulevards to make way for cars, last month opened a pilot bike-sharing stand.

In most European cities, advertisers have been given contracts to set up and maintain bicycle-sharing programs in exchange for the rights to sell ads on city-owned space, like bus stations. "We provide a turn-key program," said Martina Schmidt, bike-sharing director of Clear Channel Outdoors, which now runs programs in 13 European cities and recently started its first American program, the one in Washington. "We give the city what they're looking for, and they give us space to sell."

Here in Barcelona, the Bicing program has had its glitches, reflecting, in part, its unexpected popularity.

On Barcelona's outskirts, users complain that bicycle stations (with up to 36 bikes) can run out toward the end of the morning rush hour, leaving customers temporarily stranded. Likewise, docking sites in central Barcelona are sometimes full, so riders have to search for parking. Car owners complain about the removal of parking spots to accommodate new bike lanes; the city has about 130 kilometers, or 80 miles, of lanes, a number that has rapidly expanded in the past two years.

Barcelona's central business district is in a geographic bowl compared with most residential neighborhoods, so while many people want to ride there to work, fewer want to ride a bike home. Directed by controllers at a command station, Bicing's 100 employees use trucks to rebalance the system, taking bikes to where they are needed. City officials seem a bit overwhelmed.

"For the moment, it will not grow anymore," said Ramón Ferreiro, an official with Bicing. "We now have to consolidate and start working so that maintenance is adequate, and improve the system at all levels."

Even with the growing pains, José Monllor, a graduate student, says he now rides to class instead of driving his car. "It stays in the parking lot," he said of his car. "It's stupid to drive."
The actual impact of bike-sharing on traffic or emissions is difficult to quantify because converts include people like Monllor, who would have driven, as well as those who would have taken public transportation.

Officials in Lyon, the first city to institute a massive technology-driven bike program, estimate that bike-sharing has cut carbon dioxide emissions by up to 8,000 tons since its inception in 2005. But more than that, they say, it has changed the face of the city.

"The critical mass of bikes on the road has pacified traffic," said Gilles Vesco, deputy mayor in charge of Lyon's program. "Now, the street belongs to everybody, and needs to be better shared. It has become a more convivial public space."

Sunday, November 9, 2008

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO - 2ª fase: VOTE!

Começou hoje, dia 8 de Novembro, a 2ª fase do processo do Orçamento Participativo em Lisboa. As mais de 600 propostas apresentadas na 1ª fase já foram analisadas pela CML.

Solicitamos agora, até ao dia 14 de Novembro, que consultem as propostas seleccionadas, e votem nas três que gostariam de ver inscritas no Plano de Actividades da CML para o ano de 2009.

Para tal, basta aceder ao sítio do Orçamento Participativo - www.cm-lisboa.pt/op - com a sua palavra-chave. Para votar é necessário proceder previamente ao registo. Trata-se de uma operação que demora apenas 1 minuto. Se já se registou na 1ª fase, não necessita de voltar a fazê-lo. Até ao dia 14 de Novembro, será possível o registo no sítio do Orçamento Participativo e concretizar a votação on-line.

Os projectos mais votados nesta 2ª fase serão integrados no orçamento municipal até ao valor de 5 milhões de euros, montante definido pela Câmara para afectar ao orçamento participativo.

Para poder votar, seleccione a área ou as áreas que pretende e vote nos projectos que lhe são apresentados. Pode votar num máximo de três projectos, por ordem de prioridade (de 1 a 3, sendo 1 o mais importante), desde que a soma dos projectos não exceda o valor máximo de 5 milhões de euros.

Há cerca de 80 projectos para escolher, divididos da seguinte maneira pelas três áreas de intervenção mais pontuadas na 1ª fase do Orçamento Participativo:

Espaço Público e Espaço Verde: 61 projectos

Infraestruturas Viárias, Trânsito e Estacionamento: 24 projectos

Urbanismo e Reabilitação Urbana: 3 projectos

Para a área urbana da Baixa existem alguns projectos como por exemplo, «Arborização do Terreiro do Paço» e a «Repavimentação da Zona da Baixa antiga de Lisboa, Rua do Ouro, até Rua dos Fanqueiros».

Participe e reencaminhe esta informação para todos os possíveis interessados neste processo.

FOTO: Largo da Boa Hora, um dos largos à muito tempo raptados pelo estacionamento automóvel. A proposta apresentada pelo Fórum Cidadania LX «Retirar Estacionamento Automóvel dos Espaços Singulares Praças e Largos» foi uma das ideias seleccionadas pela CML.

Saturday, November 8, 2008

Estacionamento VIP: Rua dos Fanqueiros

Only Very Important People can park exactly where they want!
Rua dos Fanqueiros, em frente à Pollux, junto a uma passadeira...

Thursday, November 6, 2008

Lojas no Chiado são as mais caras e custam 1.200 euros/m²

21ª localização de comércio de rua mais dispendiosa da Europa
O Chiado é a localização de comércio de rua mais cara de Lisboa com uma renda anual de 1.200 euros por metro quadrado (m²) registado no segundo trimestre deste ano, e que representa um crescimento de 17,6% face a igual período do ano anterior, de acordo com a Jones Lang LaSalle.

«Este crescimento impulsionou a localização a posicionar-se à frente da Avenida da Liberdade, que é actualmente a segunda mais cara do país, com rendas prime de 900 euros/m²/ano, cerca de menos 11,8% do que no 2º trimestre de 2007. Comparativamente aos outros países analisados (num total de 25) e tendo em conta apenas a localização mais cara de cada um dos países, Portugal posiciona-se na 21ª posição.

De acordo com a directora de Retail Leasing da Jones Lang LaSalle em Portugal), Patrícia Araújo, «sente-se um interesse crescente por parte dos retalhistas no comércio de rua, principalmente no Chiado e na Avenida da Liberdade. No entanto, a oferta ainda não está inteiramente adequada à procura, uma vez que os espaços disponíveis são, na sua maioria, muito pequenos e nem sempre oferecem as melhores condições em termos de layout por não permitirem o nível de exposição exigido actualmente pelos lojistas».

A nível europeu, Moscovo, Paris, Londres e Dublin têm as localizações de comércio de rua mais caras da Europa.

Moscovo integra três das cinco localizações de comércio de rua mais caras na Europa (em termos de valores de arrendamento), nomeadamente Stoleshnikov Lane, ruas Petrovka e Tverskaya. Os Champs Elysees (7.360 euros/m²/ano), em Paris, mantêm-se como a localização de comércio de rua mais cara da Europa, seguida pela Stoleshnikov Lane na Rússia (7.035 euros/m²/ano) e pela New Bond Street em Londres (6.762 euros/m²/ano).

O Head do European Retail Agency da Jones Lang LaSalle, James Dolphin, comenta: «As ruas comerciais prime da Europa tiveram um desempenho consistente ao longo do último ano e, em alguns casos, prosperaram, apesar da turbulência nos mercados financeiros e da pressão sobre o consumo privado. Em geral, prevê-se que as rendas prime permaneçam estáveis em toda a região à medida que o fraco crescimento do consumo privado seja compensado pelo fortalecimento da procura de espaços nas melhores localizações».

Saturday, November 1, 2008

O curto ciclo de vida da iluminação pública na Praça do Comércio




A falta de manutenção dos focos de iluminação encastrados no pavimento da Praça do Comércio é chocante. Este tipo de iluminação pública foi especialmente desenhada nas últimas obras de remodelação. O projecto de iluminação foi assinado por um dos melhores profissionais do país (Maria João Pinto Coelho) mas como é hábito, a nossa crónica falta de manutenção levou a isto...
Um grande número destes focos encastrados não está a funcionar. Estas imagens mostram a extrema degradação de alguns exemplares. Há vários anos que estão assim. E apesar da iniciativa municipal «Aos Domingos o Terreiro do Paço é das Pessoas» já ter celebrado o seu primeiro aniversário, ninguém ainda se preocupou (ou reparou) em repôr estes equipamentos.

Merece destaque o foco na esquina da Praça do Comércio com a Rua da Prata (junto do Café Martinho da Arcada). Depois de se ter partido, foi tapado (pela CML? Junta de Freguesia?) com uma tampa de metal feita apartir de um velho sinal vertical de trânsito (de uma passadeira!). Está assim há vários anos. Na Praça do Comércio, a poucos metros dos Paços do Conselho.

Mas não são apenas estes focos que já não funcionam; só na balaustrada dos edifícios da Praça do Comércio há mais de 50 sem funcionar. Os grupos escultóricos nos torreões, estão na mesma miséria.

A CML já foi alertada para este problema.

FOTO: o curto ciclo de vida de um foco na Praça do Comércio: 1-normal; 2-destruído; 3-«agora só na próxima mega-empreitada de remodelação da praça!»

Monday, October 27, 2008

ESPECIALIDADES do TERREIRO DO PAÇO: Balão insuflável da CML

Uma imagem para concluir a nossa série dominical de divulgação, intitulada «AS ESPECIALIDADES DO TERREIRO DO PAÇO», no âmbito do primeiro aniversário do projecto municipal «AOS DOMINGOS O TERREIRO DO PAÇO É DAS PESSOAS».

Especialidade Nº7: Balão insuflável da CML

Nos primeiros meses da iniciativa, a CML chegou a "animar" o Terreiro do Paço com este "super cute" balão insuflável oficial! Claro que era uma reciclagem pois o balãozinho ainda apresentava o logotipo do executivo anterior. Mas em tempo de crise...
É revelador que a CML tenha sentido a necessidade de "marcar" o território desta maneira, no mínimo, pueril! Não é pois de admirar que ao longo do ano a praça tenha sido explorada pelas mais diversas marcas nacionais e internacionais. Se o próprio município dava este exemplo de exploração... e o IGESPAR nunca se indignou...

Parece que apartir do dia 2 de Janeiro de 2009 toda a placa central do Terreiro do Paço vai estar interdita em virtude das profundas obras de saneamento a levar acabo pela SIMTEJO durante 9 meses.

A mais nobre praça nacional não tem mesmo hipótese de algum descanso, férias ou uma pausa por mais curta que seja. Pelo menos vai ser o fim da duvidosa iniciativa "Aos Domingos o Terreiro do Paço é das Pessoas". Mas será que vai voltar?

O projecto “Aos Domingos o Terreiro do Paço é das Pessoas” é uma iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa que teve o seu início há um ano, exactamente a 26 de Agosto de 2007.

Sunday, October 26, 2008

O CAIS DAS COLUNAS COMEÇA A EMERGIR...

Será que vai mesmo emergir tal e qual como era? Ainda lá se vêm dois feios e brutos molhes de pedras como que a estrangular as elegantes linhas sinuosas do cais barroco.
Isto sim, é o melhor do Terreiro do Paço. Não precisamos de bandas de música, nem de barracas de farturas. Dêem-nos isto e o silêncio.

Sunday, October 19, 2008

ESPECIALIDADES do TERREIRO DO PAÇO: Feira do Exército Português

Nova imagem para a nossa série dominical de divulgação, intitulada «AS ESPECIALIDADES DO TERREIRO DO PAÇO», no âmbito do primeiro aniversário do projecto municipal «AOS DOMINGOS O TERREIRO DO PAÇO É DAS PESSOAS».

Especialidade Nº6: Feira do Exército Português

No passado domingo dia 4 de Julho era esta a "animação cultural" que se vivia no Terreiro do Paço. Parece que a República ainda se sente ameçada pela monarquia.

A mais nobre praça nacional já foi campo de batalha publicidade & marketing agressivo das mais diversas empresas e produtos. Faltava só um aproveitamento pelo próprio exército da República. Afinal, por lá já passaram multinacionais como a Vodafone (via corrida de sofás), a LÓreal (via shampô anti-caspa!) e claro, aquele banco nacional que ficou conhecido por tentar impingir aos lisboetas um cone gigante de ferro e luzinhas a piscar a que chamavam «Árvore de Natal»... Até parece que em Lisboa não existem grandes superfícies para realizar grandes feiras.

O projecto “Aos Domingos o Terreiro do Paço é das Pessoas” é uma iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa que teve o seu início há um ano, exactamente a 26 de Agosto de 2007.

O Fórum Cidadania LX convida os lisboetas a recolherem imagens do Terreiro do Paço que não queremos! Enviar fotos/mensagens com o título "Especialidades do Terreiro do Paço".

Nota: o FCLX agradece o envio destas imagens / informação por um residente da Baixa.

Tuesday, October 14, 2008

Suspensão do PDM na Baixa

Resolução do Conselho de Ministros n.º 153/2008, D.R. n.º 199, Série I de 2008-10-14
Presidência do Conselho de Ministros
Ratifica a suspensão parcial do Plano Director Municipal de Lisboa, pelo prazo de dois anos

Sunday, October 12, 2008

ESPECIALIDADES do TERREIRO DO PAÇO: Feira Popular Municipal



Mais algumas imagens para a nossa série dominical de divulgação, intitulada «AS ESPECIALIDADES DO TERREIRO DO PAÇO», no âmbito do primeiro aniversário do projecto municipal «AOS DOMINGOS O TERREIRO DO PAÇO É DAS PESSOAS».

Especialidade Nº5: Feira Popular Municipal

No passado domingo dia 15 de Junho era esta a "animação cultural" que se vivia no Terreiro do Paço.
Já tinhamos as barracas de gelados da Nestlé / Olá, mais os churros, farturas, waffles, pipocas e neve doce. Faltava um "carrousel". Parece que estes veículos da frota da CML vieram resolver esta falha. Neste domingo a praça reuniu quase todos os ingredientes de uma lusitana Feira Popular. As viagens no "carrousel" municipal eram totalmente gratuitas.

Será que ainda vamos observar peritos da UNESCO a subirem na direcção dos céus neste versátil veículo municipal? Pelo menos de lá de cima poderão fazer uma avaliação de 360º da gestão municipal de uma das mais emblemáticas praças monumentais da Europa.

O projecto “Aos Domingos o Terreiro do Paço é das Pessoas” é uma iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa que teve o seu início há um ano, exactamente a 26 de Agosto de 2007.
O Fórum Cidadania LX convida os lisboetas a recolherem imagens do Terreiro do Paço que não queremos! Enviar fotos/mensagens com o título "Especialidades do Terreiro do Paço".
Nota: o FCLX agradece o envio destas imagens / informação por um residente da Baixa.