Monday, March 24, 2014

Debate Colina de Santana: «existem alternativas»!


JAN GEHL: «the public component of our lives is disappearing»

“In a Society becoming steadily more privatized with private homes, cars, computers, offices and shopping centers, the public component of our lives is disappearing. It is more and more important to make the cities inviting, so we can meet our fellow citizens face to face and experience directly through our senses. Public life in good quality public spaces is an important part of a democratic life and a full life.
“Only architecture that considers human scale and interaction is successful architecture.”
“First life, then spaces, then buildings – the other way around never works.”
“The social changes of our era can help explain the dramatic increase in urban recreation – premium public spaces, with their diversity of functions, multitude of people, fine views and fresh air obviously have something to offer that is in great demand in society today.”
Jan Gehl


'Jan Gehl é um arquitecto e urbanista dinamarquês cuja carreira se tem focado em melhorar a qualidade da vida urbana reorientando o design da cidade em função do peão e do ciclista.
FOTO: Largo de Santa Cruz do Castelo, um dos muitos espaços públicos que continua refém de uma mobilidade urbana centrada no transporte particular - com óbvios prejuízos para a qualidade de vida de todos.

Friday, January 24, 2014

PASSEIO LIVRE!

Caro leitor, o Passeio Livre é um grupo de voluntários que nos seus tempos livres se dedica à causa da defesa dos peões, mormente pessoas com mobilidade reduzida, crianças e idosos, os mais prejudicados pelo flagelo que é o estacionamento selvagem nas nossas cidades. Como muitos sabem, uma das nossas ações de protesto é o envio de autocolantes de forma gratuita, pedindo apenas o pagamento dos portes de envio. Nos últimos 5 anos já distribuímos gratuitamente cerca de 50,000 autocolantes. Todavia, os autocolantes estão praticamente esgotados e mesmo os pagamentos que algumas pessoas dão em excesso aos portes de envio não chegam para cobrir a impressão de mais autocolantes.

Queremos continuar a enviar-vos autocolantes gratuitamente!

A impressão de 20 mil autocolantes a duas cores (amarelo e preto) custa 585€, segundo o orçamento dado pela gráfica que apresentou o preço mais baixo. De donativos extra das pessoas a quem já enviámos autocolantes temos quase 150€. Há uma associação cívica que nos fez um donativo de 150€, precisando nós agora de apenas mais 285€.

Por favor, ajude-nos a ajudar muita gente, combatendo o flagelo que é o estacionamento selvagem nas nossas cidades!

Pedimos que faça o donativo na quantidade que lhe aprouver para

NIB: 0035 0127 0004 8026 5300 6
IBAN: PT50 0035 0127 0004 8026 5300 6

Cada cêntimo conta!

Em nome daqueles a quem a nossa causa ajuda

Muito obrigado
Passeio Livre
www.passeiolivre.org

Thursday, January 23, 2014

PUBLI-Cidade: Rua de São Nicolau

Aqui está um "bom" exemplo de más práticas de publicidade num estabelecimento comercial em zona histórica de 1º categoria como é a Baixa Pombalina. Mas a verdade é que esta farmácia podia ser em qualquer outra zona urbana...

Friday, December 27, 2013

PUBLI-Cidade: LARGO DO CHIADO

Óbviamente há uma ambição que o Barclays não permite aos cidadãos de Lisboa: Ter uma cidade com o centro histórico livre de mega telas de publicidade! Damos uma nota NEGATIVA ao Banco Barclays por este oportunismo descarado em explorar uma zona histórica de Lisboa. Foto de 25 de Novembro de 2013.

Thursday, December 26, 2013

Monday, October 7, 2013

PUBLI-Cidade: ROSSIO

Em plena Praça D. Pedro IV, no ROSSIO. A CML já sabemos que aprovou isto de bom grado como quase sempre faz, para amealhar mais uns euros - mas será que a tutela do Património também compactuou com este espectáculo de terceiro mundo? Aguardamos resposta. Nota muito NEGATIVA também para a MEO pois revela uma grande falta de responsabilidade ao tratar asim uma zona urbana classificada com grande valor patrimonial para Lisboa e o país.

Wednesday, September 18, 2013

Visita Guiada ao Bairro das Colónias

pelo Professor Arq. José Manuel Fernandes, às 18H na Praça das Novas Nações (junto da entrada da Escola).

Monday, September 9, 2013

QUANDO NÃO HÁ URBANISMO COMERCIAL: Rua da Conceição

Ora aqui temos dois exemplos, lado a lado, bem paradigmáticos do que se está a passar na Baixa na área do "Urbanismo Comercial", ou melhor dizendo, da aparente TOTAL FALTA de critérios por parte da CML, Pelouro do Arq. Manuel Salgado.
 
Do lado esquerdo temos uma antiga retrosaria, com uma bela frente de loja protegida no PDM (Carta Municipal do Património) que foi tomada pelo negócio dos souvenirs do tipo tralha para turismo de massas. A frente da loja está completamente obstruída com os produtos "lixo" que lá se vendem. A CML deu licença (ou será ilegal?) e obviamente não fiscaliza ou não quer saber se uma loja com estatuto de protecção no PDM está comprometida ou não enquanto bem cultural.
 
Já do lado direito vemos um bom exemplo de antigo espaço comercial (era a retrosaria "Midões") remodelado para receber um novo projecto comercial. Para os mais saudosistas pode parecer uma metamorfose radical; mas na verdade, e face aos terríveis exemplos de total destruição que abundam em Lisboa, esta adaptação foi feita com uma certa sensibilidade e cuidado - porque ainda sobrevivem aquelas características essenciais do anterior estabelecimento, principalmente a frente da loja. A memória da história anterior ainda se consegue ler. Já no desastroso exemplo ao lado - já nada é legível, para além de um caos de cores e materiais que apenas contribuem para desqualificar e poluir a BAIXA.
 
Que grande injustiça que é, constatar que a CML tem dois pesos e duas medidas para o mesmo assunto. Porque por toda a BAIXA assistimos a estes dois movimentos contraditórios: de um lado novos empresários que investem na qualidade e mostram entender e apreciar o património, e do outro uma série do tipo avalanche, que destrói de forma inconsciente, e sem qualquer penalização, esse mesmo património.

Saturday, August 31, 2013

PASSEIOS DE LISBOA: Rua da Madalena 151


Nesta obra municipal, que decorreu desde 2012 até recentemente na Rua da Madalena 151, a forma como um contentor de recolha de entulhos é instalado no passeio revela bem a secundarização do peão por parte da CML e de muitas empresas da construção civil. Porque nada se fez para garantir a segurança dos peões nestes momentos. Nenhuma passadeira temporária, nenhuma sinalética, nada. O peão que encontrar este obstáculo terá de atravessar as faixas de rodagem por sua conta e risco. Quanto a um cidadão de mobilidade reduzida... Isto é uma obra municipal - Elevador Público - que tem como missão melhorar a mobilidade pedonal entre a Baixa e o Largo do Caldas/Castelo. No melhor pano cai a nódoa? Com certeza é abusivo designar a nossa CML como "bom pano".

Thursday, August 29, 2013

ESPLANADAS DE LISBOA: República das Bananas?


Esplanada do Quiosque "Banana Café". Um exemplo de República das Bananas?  Não lhe parece que esta esplanada é abusiva Sr. Vereador Sá Fernandes?

Sunday, August 4, 2013

PASSEIOS DE LISBOA: Jardim / Cais do Sodré

Estes motoristas de autocarros de turismo sabem estacionar na perfeição nos passeios do jardim do Cais do Sodré - afinal, já são muitos anos de experiência. Reparar na perfeição do estacionamento, com os dois veículos absolutamente paralelos ao lancil (pobres lancis que têm de aguentar aquelas toneladas todas!). Quem estava na paragem do autocarro mesmo em frente assistiu às lentas mas confiantes manobras de estacionamento - assim tão bem estacionados não prejudicam em nada a circulação dos automóveis naquele local... Os peões? A faixa de rodagem é bastante larga, cabem todos! Em Lisboa os peões são cidadãos de segunda, naturalmente.

Monday, July 29, 2013

BBC: «Portuguese culture feels the pinch as arts budget slashed»

Na BBC: Portuguese culture feels the pinch as arts budget slashed
 
"We have to survive so we are looking everywhere - except towards our government which doesn't help us."

Portugal does not have a strong tradition of private cultural philanthropy, nor does it have many private foundations dedicated to supporting the arts.
 
With state funding halved, many theatres, operas, galleries have been left in a precarious state and cultural historian and former Culture Secretary Rui Vieira Nery wonders how they will recover.

"The cuts will have a tragic affect on all aspects of Portuguese cultural life," he argues.

"Remember that in Portugal we don't have sound cultural institutions - ours are rather recent and haven't been established deeply enough to survive these brutal cuts."

He goes on to remind me that for much of the 20th Century Portugal was stifled under a right-wing dictatorship, and when it emerged after a bloodless coup in 1974, more than 40% of the Portuguese people were illiterate.

"We've spent so much money in the last 25 years on developing the arts scene in Portugal, and now we have architects, artists, film directors and writers who are all internationally acclaimed.

"It's just such a terrible waste."
 
(...)
 
 
Foto: Palácio Nacional da Ajuda, sede do defunto Ministério da Cultura...

Saturday, April 20, 2013

ARBORICÍDIO NA RIBEIRA DAS NAUS





FOTOS: Associação Lisboa Verde (Pinto Soares)