Sunday, February 26, 2017

Sim, repetiram o feito no Porto, ao lado da Torre dos Clérigos



Tal como aconteceu no estabelecimento aberto na Rua Augusta em Lisboa, também aqui o mais provável é que todos estes dispositivos de publicidade sejam ilegais. Aguardemos...

Friday, February 10, 2017

LISBOA, Capital Europeia da Demolição: Rua António Maria Cardoso 9-13




Está concluída a demolição integral de mais um interior de prédio pombalino no Chiado.

Este imóvel, mais do tipo palácio que prédio de rendimento pombalino, tinha bons interiores com pinturas murais e também nos tectos, para além de importantes vestígios arqueológicos no subsolo que estão agora a ser registados antes das máquinas sôfregas dos "investidores imobiliários" avançarem para destruírem o resto. Aqui passava a muralha medieval da cidade e isto foi chão do grande palácio urbano dos Duques de Bragança. Mas com certeza que no final das obras tudo vai ser "vendido" como obra exemplar, amiga da História e orgulhosa do Património único de Lisboa... Qualquer slogan do tipo «Venha viver de mãos dadas com a História do Chiado»? E querem apostar como até irá ganhar um prémio nacional do imobiliário?

Thursday, February 9, 2017

Um "Clássico" das avarias crónicas de Lisboa: escadas rolantes da estação Baixa-Chiado



Mas em breve Lisboa terá um novo candidato a clássico de "avarias crónicas": as futuras escadas rolantes da Nossa Senhora da Saúde na Mouraria. Se estas escadas do Metropolitano de Lisboa - interiores e fechadas durante parte da noite - imaginem as escadas rolantes exteriores na Mouraria...Um futuro "Elefante Branco" que vai custar aos contribuintes milhões de euros mas que estará avariado, muito provavelmente, na maior parte do tempo.

Thursday, January 5, 2017

RUA DA VITÓRIA 79 - 85 sucumbiu ao "trash"



Todo o piso térreo deste imóvel está ocupado com lojas de souvenirs do tiupo "trash", "tourist trap". Até há poucos meses existiam 2 sapatarias. Enquanto não houver Urbanismo Comercial para a Baixa, a situação vai continuar a piorar.

Sunday, November 27, 2016

O Turismo pode trazer problemas, mas Lisboa e Porto não o reconhecem...

















O Turismo pode trazer problemas, mas Lisboa e Porto não o reconhecem
 
in Público, 26 de Novembro de 2016
 
Autarcas criticados por pouco ou nada fazerem para impedir a descaracterização das cidades num debate sobre património organizado pelo Icomos, no Porto. (...)
 
O arquitecto Pedro Bismark, outro dos convidados para esta sessão, elencou na sua intervenção “treze tristes teses sobre o turismo”, sendo uma delas a de que o turismo, na sua voracidade, destrói aquilo de que se alimenta, seja ela a autencidade social, arquitectónica ou outra, de um lugar. Num artigo de opinião no PÚBLICO, A coordenadora deste encontro, Maria Ramalho, já tinha alertado que, depois de ter destruído frentes de mar por esse país fora, o ímpeto turístico - que não dissocia do imobiliário - está a atingir o coração das cidades, principalmente das mais antigas e acessiveis por meios de deslocação low-cost, a uma velocidade “estonteante”. Ao contrário de Veneza ou Barcelona, onde os problemas se foram agudizando ao longo de anos e anos, estamos numa fase em que tudo acontece mais rapidamente, insistiu.
 
O arquitecto Pedro Bismark, outro dos convidados para esta sessão, elencou na sua intervenção “treze tristes teses sobre o turismo”, sendo uma delas a de que o turismo, na sua voracidade, destrói aquilo de que se alimenta, seja ela a autencidade social, arquitectónica ou outra, de um lugar. Num artigo de opinião no PÚBLICO, A coordenadora deste encontro, Maria Ramalho, já tinha alertado que, depois de ter destruído frentes de mar por esse país fora, o ímpeto turístico - que não dissocia do imobiliário - está a atingir o coração das cidades, principalmente das mais antigas e acessiveis por meios de deslocação low-cost, a uma velocidade “estonteante”. Ao contrário de Veneza ou Barcelona, onde os problemas se foram agudizando ao longo de anos e anos, estamos numa fase em que tudo acontece mais rapidamente, insistiu.
 
O sociólogo João Queiroz aludiu às dificuldades que se colocam a quem, como ele, pretenda investigar os impactos do turismo num dado território. Dificuldades que se prendem com o défice de financiamento do sistema científico mas também, vincou, com a inexistência de dados estatísticos acualizados, que permitam uma leitura atempada de alguns indicadores. O Censos 2011 já lá vai há cinco anos, mas, avisou, 2021 pode ser tarde demais para reverter alguns efeitos, como o afastamento de populações de menores recursos económicos dos centros históricos, situação já reportada em Setembro em Alfama, Lisboa, pelo presidente da Junta de Santa Maria Maior. (...)
 
“O problema é que, como o PIB cresce por causa do turismo, não se pode criticar isto, sem se ser olhado de lado”, atirou Maria Ramalho, insistindo que no país, e principalmente nas duas cidades mais sujeitas a esta pressão, a crítica deve transformar-se num movimento, sob pena de ser inconsequente. Na plateia, entre as mais de duas dezenas de pessoas que assistiram ao debate, somaram-se os apelos à actuação reguladora do poder político. 
 
Um dos presentes, o arquitecto Pedro Figueiredo, argumentou que o problema se resolve com políticas urbanas que passam por deixar de usar fundos públicos e comunitários para apoiar novos hóteis que surgem a partir de “uma reabilitação de fachada, que deixa carapaças e faz demolição do interior de quarteirões inteiros”, desviando esse dinheiro para habitação a custos controlados. Por outro lado, acrescentou, é possível dialogar com as plataformas de alojamento e, tal como está a ser testado em Nova Iorque, exigir que só seja possível alocar para o airbnb um apartamento por pessoa. E, do ponto de vista do licenciamento, introduzir aspectos de natureza social nos regulamanentos, para controlar o movimento de transformação de casas que serviriam para famílias em T0 que apenas têm em vista o arrendamento a turistas.
 
O artigo completo aqui:

https://www.publico.pt/2016/11/26/local/noticia/para-travar-a-turistificacao-lisboa-e-porto-tem-de-reconhecer-o-problema-1752685

Tuesday, October 25, 2016

Mais uma souvenir shop... na entrada do futuro elevador na Rua do Carmo, em propriedade Municipal!

 Porque razão ainda não se inaugurou este novo equipamento municipal?

 A porta do futuro elevador público municipal...
 ...e na loja ao lado também municipal, outra loja de souvenirs!

Thursday, August 4, 2016

Mistérios de Santa Maria Maior: Contentores de lixo sem tampa?!

Cada vez mais vemos contentores de lixo, SEM TAMPA, espalhados por toda a Baixa, Chiado e outras zonas da Freguesia de Santa Maria Maior! Porquê?! Imagem da Praça da Figueira.